Pedro Sá Moraes

MPB - Brasil

Aclamado como "um dos dez artistas que você deveria ter conhecido em 2012" pela imprensa norte-americana, o cantor e compositor carioca lança seu novo single "A Hora da Estrela" em primeira mão na Pleimo.

Receita de Canção - Pedro Moraes

Receita de Canção - Pedro Moraes

You may also like:

Artist

A trajetória é familiar, as escolhas estéticas, incomuns. A história da repercussão em terras estrangeiras que precede e impulsiona o reconhecimento nacional estampa a biografia de muitos artistas dos mais diferentes estilos. Desde a redescoberta de Tom Zé por David Byrne, até fenômenos roqueiros como Sepultura e Angra, passando pelos recentes sucessos pop Cansei de Ser Sexy e Bonde do Rolê, os fluxos globais da indústria mostram poder provocar trajetórias invertidas, apresentando ao Brasil artistas que conquistaram primeiro seu espaço no exterior.

Naturalmente, também há aqueles que, aclamados em terra estrangeira se abrigam numa espécie de exílio, enxergando de longe, não raro com melancolia, uma pátria mãe que não lhes soube reconhecer. Não seria este, por determinação de vontade e espírito, o caminho seguido pelo carioca Pedro Sá Moraes, formado em Psicologia pela PUC e educado em música pelas rodas de samba do bairro boêmio da Lapa. Lá, e num circuito nacional de casas de samba, cantou e tocou durante muitos anos da década de 2000 com seu grupo "É com esse que eu vou", frequentemente na companhia de mestres como Nelson Sargento, Elton Medeiros e Wilson Moreira. Mas o samba e a carreira de intérprete, ele sempre soubera desde a descoberta de sua vocação autoral durante um ano sabático passado na Índia em 1999, não eram sua aspiração máxima. E o mundo se encarregou de confirmar esta aposta.

Desde trocar, em 2007, as noites de samba pela dedicação integral à carreira autoral, reunindo numa síntese muito particular variadíssimos elementos da MPB, jazz e referências literárias, do cinema e da arte contemporâneas, as portas do mundo começaram a se abrir e o passaporte ganhou carimbos de diversas turnês à Europa, América Latina, Ásia e, mais recentemente, Estados Unidos. Divulgando seu primeiro CD solo, Claroescuro, produzido de forma independente e lançado naquele país pela Caravan Music, apresentou-se em casas lendárias, como o Joe's Pub, SOB's e NuBlu em Nova Iorque, e festivais como o Chicago World Music, Philadelphia Film and Music Festival e South by Southwest, no Texas. A imprensa aplaudiu. O CD, que tem participação de Alcione e desfila "melodias elaboradas e letras inesperadas" (MBAZ.org) foi aclamado um dos dez melhores álbuns de world music de 2010 pelo Boston Globe, e o principal site de música alternativa do país, NPR.org, elencou o brasileiro entre os "dez artistas que você deveria ter conhecido em 2012".

Agitador cultural

Muito mais do que um exilado, Sá Moraes, membro de uma geração inquieta e inventiva de artistas, foi se consolidando como embaixador. Movido pelo ímpeto de mostrar ao mundo a música desta cena que pulsa hoje no Rio de Janeiro, tendo como epicentro o Coletivo Chama (de que Pedro faz parte, com Thiago Amud, Sergio Krakowski, Ivo Senra, o artista plástico Cezar Altai e a banda Escambo) o compositor concebeu e organizou uma mostra de "Música Brasileira de Exploração", como parte da APAP-NYC, maior conferência de produção cultural dos Estados Unidos. Em suas duas edições, em 2012 e 2013, reunindo dezenas de músicos baseados no Brasil e exterior, levou centenas de pessoas à mais eclética e vibrante casa de shows do bairro novaiorquino do Village: o Le Poisson Rouge. "Uma grande introdução à aventureira cena musical carioca -- entre o vibrante e o lírico", diz o jornalista Tim Wilkins, da WBGO, principal rádio especializada em jazz nos EUA, "Moraes mostra a habilidade de beber das ricas veias musicais do Brasil e virar as formas da tradição de cabeça para baixo".

Músico, agitador cultural, radialista -- apresenta, com seus parceiros de Coletivo Chama, o programa conceitual Rádio Chama, na FM estatal Roquette Pinto -- Pedro é amante das portas abertas pela tradição e da vertigem dos novos caminhos. Sua música já foi descrita por Ailton Magioli (Estado de Minas) como um "Momento de Êxtase", e pelo jornalista Leonardo Lichote numa matéria de capa do Segundo Caderno do Globo como, em sua geração, "a que tem mais potencial de comunicação com o público do gênero (MPB), apesar de carregar um olhar provocador que escapa da abordagem comumente dada a esta tradição". O diretor da TV Globo Luis Gleiser, que conheceu o artista durante as gravações do programa Som Brasil - Cartola, do qual o cantor participou em 2008 ao lado de Vanessa da Mata, Alcione e Teresa Cristina, reconheceu nele um princípio estético "insurrecionista". A resenha do programa no jornal O Globo, publicada no dia seguinte, concorda: "Pedro Moraes foi a surpresa e o destaque".

Além do princípio do prazer

Desde o início de 2013, junto com o produtor musical Ivo Senra, vencedor da última edição do Prêmio da Música Brasileira na categoria álbum eletrônico, Pedro vem se debruçando sobre a pré produção de seu segundo álbum solo. Aprofundando-se em dimensões intertextuais e metalinguísticas da canção, com o auxílio de técnicas de orquestração que dialogam com vertentes da música contemporânea e de algumas expressões experimentais do pop internacional (narrativas de timbres, transformações no sentido de tempo, sobreposições modais e rítmicas) está nascendo "Além do princípio do prazer". Nomeado a partir de um conhecido (e misterioso) artigo de Sigmund Freud, o álbum reúne canções de Sá Moraes e parcerias com colegas de geração, como o próprio Senra, Thiago Amud e Thomas Saboga.